Revista CPS arte Verão 2022
24 de Junho de 2022

Revista CPS arte Verão 2022

Há novas edições de arte contemporânea no CPS! A Revista "arte" Verão 2022 já está disponível (veja aqui a versão onlinee traz muitas novidades!

Prometeu Agrilhoado, do distante Ésquilo, continua a fazer eco na contemporaneidade, servindo de mote à serigrafia de Francisco Vidal, depois de um conjunto de bem-sucedidas exposições. 
Um grito de Liberdade, na cor, no gesto, no processo de um dos mais relevantes artistas de uma geração.

E se a Arte é o que fica do tempo filtrado, talvez as grandes personagens literárias possam ter novas vidas, para lá das páginas originais. É o que nos revela o grandioso álbum Mulheres Saramaguianas, a celebrar o centenário do escritor e em parceria com a Fundação José Saramago. Seis notáveis artistas e seis prestigiadas escritoras a exaltarem a obra do nosso Nobel da Literatura. Seguramente uma das edições do ano. É também a palavra poética de Cruzeiro Seixas a ser inspiradora nas serigrafias de Nuno Teixeira. Partindo do universo micro, Patrícia Noronha deslumbra-nos o olhar para lá do que o mesmo consegue ver. Uma forma de poesia. Pelo poeta Pessoa João Prates (diretor do CPS) acede ao convite para conceber a serigrafia dos 240 anos do Martinho da Arcada, com desassossego, meio dia, meia noite. Também João Nasi Pereira se encantou, encantando-nos, com a poesia de Sophia.

Influenciado por grandes mestres do séc. XX, com quem teve o privilégio de conviver, Xavier regressa ao CPS com uma notável exposição e um conjunto de obras que exaltam a nobre tradição da relação de cumplicidade e confiança entre o artista e o mestre impressor. As três edições foram criadas no Atelier CPS sem qualquer esboço prévio. A Arte continua a ser um campo aberto à descoberta, povoado de diversidade. As criações digitais de Jorge de Sousa Noronha; a essencialidade serigráfica de Luís Delgado; o simbolismo oculto de Jorge Barrote; os símbolos próprios e o vigor cromático de Filipe Amaral; o humor subtil e crítico, por aspirar a um mundo melhor, de Mariana Gillot e Cláudia Sampaio, agora no grande formato, a confirmar o seu enorme talento. 
Reunindo incontornáveis realizadores de animação de todo o mundo, a caixa de arte Freeze Frame enfatiza o espírito universal da Arte e celebra 20 anos Monstra, um prestigiado festival a merecer todos os aplausos. Por ocasião da exposição Synthetic Aesthetics na Galeria António Prates, reapresentamos o americano Ken Rinaldo, artista pioneiro, agora que a simbiose arte/tecnologia aufere mais pertinência que nunca.

IR PARA A LOJA