Exposição de Cruzeiro Seixas na Sede da Unesco em Paris
2 de Maio de 2022

Exposição de Cruzeiro Seixas na Sede da Unesco em Paris

Inaugura no Dia Mundial da Língua Portuguesa, dia 5 de maio.

A Sede da Unesco em Paris inaugura dia 5 de Maio, Dia Mundial da Língua Portuguesa, a exposição “Cruzeiro Seixas – Teima em ser Poesia” organizada pela Fundação Cupertino de Miranda.

 

A exposição, inicialmente prevista para 2020, ano do centenário do artista, assinalava em simultâneo, o primeiro Dia Mundial da Língua Portuguesa. Foi adiada pelas contingências associadas à pandemia Covid 19 e é agora apresentada na mesma data, dois anos volvidos.

 

No âmbito desta efeméride, o CPS editou a serigrafia “Ruínas da Cidade Futura - Homenagem a Mário de Sá Carneiro” que consta na imagem do cartaz, lançada na altura e entretanto esgotada. Esteve na génese desta serigrafia o então Embaixador de Portugal na Unesco, António Sampaio da Nóvoa, seguido da entusiasta Diretora da FCM, Marlene Oliveira. A edição resultou de uma das mais emblemáticas séries do artista, os desenhos a pena, absolutamente marcantes para esta disciplina no contexto da arte portuguesa do séc. XX. Será também com a obra que originou esta serigrafia, pertença da Fundação, que a exposição irá abrir em Paris.

 

Ruínas da Cidade Futura - Homenagem a Mário de Sá-Carneiro

Cruzeiro Seixas, Serigrafia, 2020

 

Trata-se de uma mostra que representa “a concretização de um sonho do artista: ter uma exposição individual em Paris, com obras, documentos e tapeçaria", indicou Marlene Oliveira, também curadora da exposição, sobre o trabalho de Cruzeiro Seixas.

 

Marlene Oliveira disse ainda que a exposição irá mostrar a ligação da obra de Cruzeiro Seixas à literatura e à língua portuguesa, através de escritores que manifestamente admirava, como Fernando Pessoa, Teixeira de Pascoaes e Mário de Sá-Carneiro, além das cartas atribuídas a Mariana Alcoforado.

 

O diretor do CPS, João Prates, acrescenta: «Ano e meio depois da partida de Cruzeiro Seixas, resta-nos o consolo de assistirmos ao seu legítimo reconhecimento internacional, a triste saudade e a urgência do seu pensamento ético surrealista: “Tenho sempre a esperança que, ao falar com as pessoas, adiram à paixão que é minha, pela arte. Porque não vejo, dentro do esquema da vida atual, que haja outra forma de sermos conduzidos a uma ideia de liberdade e de satisfação completa que é o desejável para o Homem.”»

 

UNESCO SEDE - SALA MIRÓ

7 Pl. de Fontenoy, 75007 Paris, França