Tópico da Semana: Minimalismo
23 de Novembro de 2021

Tópico da Semana: Minimalismo

Quando menos é mais

Recorrendo a poucos elementos plásticos, a Arte Minimalista que conheceu o seu maior desenvolvimento nos anos 60 e 70 do século XX, apresenta-se despojada, simples e objetiva. Procura a essência expressiva das formas, do espaço, da cor e dos materiais enquanto elementos fundadores da obra de arte. O célebre aforismo que a caracteriza é precisamente "menos é mais" do arquiteto Mies Van der Rohe (1886-1969).

 

O Minimalismo ou a Arte Minimalista podem ser entendidos como uma extensão da ideia abstrata de que a arte deve ter a sua própria realidade e não ser uma representação de algo. Com o Minimalismo, nenhuma tentativa é feita para representar uma realidade externa, o artista quer que o espectador responda apenas ao que está à sua frente. O meio ou material do qual é feito, e a forma do trabalho, são a realidade. O pintor minimalista Frank Stella (n. 1936) disse sobre as suas pinturas "What you see is what you see" (O que vê é o que vê).


No vasto leque de edições CPS, incluem-se nomes cuja obra herda os valores da Arte Minimalista, como Ângelo de Sousa (1938-2011), David de Almeida (1945-2014), Cristina Ataíde (n.1951), Maria José Oliveira (1943), entre outros. Descubra estes e outros artistas clicando aqui.

 

Ângelo de Sousa, S/ Título, Serigrafia, 70 x 50 cm

 

David de Almeida, Série "Leques", Gravura, 50 x 56,5 cm

 

Cristina Ataíde, S/ Título, Gravura intervencionada com pulverização de pigmento vermelho, 99,5 x 71 cm

 

 

Maria José Oliveira, S/ Título, Serigrafia, 70 x 50 cm

 

MINIMALISMO: VER OBRAS