Fernando Galrito
June 26, 2022

Fernando Galrito

Fernando Galrito fundou em 2000 o Festival de Animação de Lisboa - MONSTRA e MONSTRINHA de que é diretor artístico. Autor de filmes de animação, documentários e obras transdisciplinares premiadas, é também professor convidado em várias universidades de todo o mundo, onde dá conferências, cursos e workshops.

Como Curador convidado do CPS, apresenta-nos as suas escolhas:

 

"Percorrer o catálogo do CPS é fazer uma viagem belíssima ao grande mundo da arte. Não apenas das artes plásticas, mas de uma transdisciplinaridade que se encontra nas múltiplas edições, obras e autores que se abraçam neste Centro que é de ARTE e não apenas de serigrafia.

E este encontro é fabuloso. Vindo eu do mundo do cinema de animação onde o mais importante não é uma imagem, mas o que acontece entre elas numa sequência, é ela que vai transformar as imagens inertes em movimentos que existem apenas “dentro de nós”.

Neste catálogo encontramos tanta gente que unindo gesto, traço, cor, criam, também, as emoções, sensações e movimentos que nos balançam, agitam, movimentam, corpo e alma.

Não querendo esquecer, tantos e grandes artistas existentes neste catálogo, elegi, por diferentes razões;

O João Fazenda, as suas Sementes são emoções deixadas num universo de cor e luz de quem tem no peito um coração de realizador de animação.

 

João Fazenda, "Sementes", Serigrafia

 

Still Free do Francisco Vidal, para além desse grito de liberdade deixados no movimento do artista sobre a tela, mediado pela cor e pelo pincel, é também um olhar sobre uma obra “livre” de um grande amigo.

 

Francisco Vidal, "Prometeu Agrilhoado", Serigrafia

 

A Maria João Worm fez há alguns anos o curso de animação connosco na Gulbenkian, e desde sempre lhe vimos esse olhar Feliz que nem um passarinho onde a cor e facilidade do desenho deixa o essencial sob o nosso olhar.

 

Maria João Worm, "Feliz que nem um passarinho", Linogravura

 

Amigo GRANDE que nos deixou prematuramente, o Carlos Eirão mesmo nas suas obras sem título, espelha o fundamental do outro, daqueles que sempre soube respeitar e amar. As suas obras são como ele é e será sempre nas nossas memórias, alguém que sabe abraçar.

 

Carlos Eirão, S/ Título, Gravura

 

Dois ENORMES neste catálogo são o Cruzeiro Seixas, seja nas Ruínas da Cidade Futura, ou no Grupo conduzindo o mar ao seu definitivo lugar esse encontro mais que perfeito entre o melhor do surrealismo com o futurismo, seja ele entendido como “escola” ou como tempo. Júlio Pomar, a quem “encantei” – palavras dele - com filmes de animação inspirados no fado, sempre soube dar a forma a cor a luz perfeita aos textos neorrealistas ou compreender e expressar as grandes culturas como a dos índios Xingu em Huka Huka quiçá também inspirado pela câmara de filmar de Ruy Guerra.

 

Cruzeiro Seixas, "Grupo conduzindo o mar ao seu definitivo lugar", Serigrafia sobre tela.

 

O CPS uniu o Luc Brévart  e a MONSTRA e o seu Whats new about Europe é esse encontro de culturas, de pessoas e de poetas, daqueles que realmente cruzam e fazem pontes entre todos nós nos mapas que o Luc reinventa em constantes encontros de criativas civilizações.

 

Luc Brévart, "What's new about Europe!"", Serigrafia

 

A fechar e a unir, todos nós, artistas, obras, público, está o João Prates e que melhor homenagem podemos fazer a esta transdisciplinaridade entre imagens fixas e em movimento senão com estes Blind Lux – Hot Moon, ou …. Sun onde cada gesto é movimento em telas que dançam profundamente dentro de nós, como uma sequência de imagens num filme de animação."

FERNANDO GALRITO  

 

João Prates, Série "Blind Lux", Serigrafia